15 novembro 2012

Alguma vez vai mudar?

No que toca a regras, o Futebol está muito parecido com o que era na sua génese, a evolução tecnológica não foi de todo aproveitada e estamos um pouco na mesma deixando uma "aberta" para casos e mais casos e mais casos...


Tempo:
- Passar a tempo útil? Jogos de 25 ou 30min por parte mas tempo útil. Se virmos, hoje em dia os jogos têm cerca de 50% de tempo útil. Para quê acabar aos 90min se uma equipa está a atirar gajos para o chão em todas as jogadas como se tivessem Snipers no estádio? Assim o Jesus já não manda deitar o Artur.

Entrou ou não?
- O tão falado e badalado "chip" que controla se a bola entra ou não entra... Tiram-se aquelas jarras que há nas competições europeias (as jarras amarelas que estão ao pé dos postes) e fica tudo mais fácil. Assim o Baía tinha menos um título.

Falta/agressão com a mínima margem de dúvida?
- Faz-se como no Rugby, passa-se o video a pedido do árbitro ou do assistente a um 4º árbitro que decidirá se há ou não infracção. Claro que o erro humano mantém-se presente mas ao menos fica aos olhos da malta toda que o gajo decidiu depois de ver as mesmas imagens que nós... fica difícil ter cara de pau a ponto de decidir tão mal como temos visto. Assim o Javi não tinha sido expulso com o Braga.

Fora-de-jogo duvidoso?
- Nunca se marca, a jogada prossegue e no final da mesma vai-se ver o fora-de-jogo outra vez em video. Se for fora-de-jogo, o que quer que tenha acontecido é anulado. Assim o Maicon não marcava o 2-3 na Luz.


Isto são coisas óbvias que muitos dirão que tiram algo já "cultural" no futebol, mas quanto a isso também já foi "cultural" ver malta a ser decapitada em praça pública e hoje em dia não é comum ver-se isso. Assim sendo, acredito na evolução.

Quem sairia mais prejudicado de tudo isto? O Sporting... sempre... nem sei bem porquê mas eles haviam de arranjar uma desculpa qualquer.


PS: Caso não mude... continuarei a gostar mais de Futebol do que de alguns membro da minha família!

20 comentários:

Roco disse...

Outra retirada do Rugby, colocar um microfone no arbitro para o estádio e espectadores poderem ouvir o que o arbitro diz. Promove a clareza.

João Tibério disse...

substituições ilimitadas - teríamos jogadores especializados apenas nas bolas paradas. o césar peixoto seria um jogador de topo e o beckham jogaria até aos 85 anos.

todas as faltas contariam para um número total de faltas do jogador - ao fim de x haveria cartão, livres, etc. não interessava a intensidade do contacto. favorecia claramente os jogadores mais dotados.

vídeo - para tudo e mais alguma coisa. pode retirar ritmo mas traz verdade ao jogo. hoje, ao contrário do inicio do desporto, ligamos com milhares e milhões, pelo que há que ser sério.

Bruno Rocha disse...

Segundo o que eu percebi, o que defendes no "tempo útil" é que o relógio pare sempre que há interrupções, tipo basket. É isso?

Vozes Encarnadas disse...

Então ficaríamos com um jogo de +\- 3h?

No futebol temos paragens +\- 1 em 2 min com paragens +\- 30 segundos a 1 min (isto claro está no minimo), se fosse uma parte de 30 min isso transformava-se no minimo em +\- 1h por parte, o que dava um jogo na melhor das hipóteses de 2h.

Sendo o jogo futebol um jogo com ritmo variável, ou seja, alturas mais intensas, outras menos intensas, uma equipa dá tudo numa altura, outra dá noutra altura, isso desaparecia.

Bem resumindo, deixávamos de ter futebol e era criado um desporto novo que vinha do futebol.

Claro que eu percebo perfeitamente essas medias e sim não gosto de ser roubado, mas com essas medidas o futebol acabava e era criado um novo desporto.

Em relação ao chip, já devia existir porque isso é uma ferramente simples, apita ou não apita quando entra logo é uma decisão na hora.

Mats Magnusson disse...

Espero que essas macacadas da tecnologia nunca sejam aplicadas ao futebol.

O erro faz parte do jogo. Quer seja erro do jogadore quer seja do arbitro. Convivam com isso.

O futebol nao e' rugby nem futebol americano. Para os maricas ha o PES e o FIFA

Blue Bullet disse...

Concordo exactamente com as medidas descritas no post. Todas as outras propostas que têm saído são, na maioria das vezes, exageradas. A única coisa que acrescentaria tem a ver com o uso do vídeo: penso que se poderia fazer qualquer coisa como o Hawk-eye no ténis - cada equipa teria direito a pedir que X jogadas fossem reavaliadas através do vídeo (caso contrário o jogo seria demasiado parado).

Para quem diz que as tecnologias (sobretudo o uso do vídeo) tornaria o futebol chato e parado, vejam a NBA. Não conheço bem as regras do uso das tecnologias, mas é um dos desportos mais espectaculares e raramente há polémicas com arbitragens.

David Duarte disse...

Uma medida muito simples que elevaria o nivel de fair-play no jogo. Quando hà uma falta fazer como no handball, ou seja os elementos da equipa que fez a falta não podem tocar na bola sob pena do gajo que fizer isso levar amarelo. Simples não? E não se trata de revolução nenhuma.

pitons na boca disse...

Não sei dizer quais as medidas cujas vantagens suplantariam as desvantagens, e se as desvantagens não teriam um impacto negativo demasiado pesado no jogo em si.
Mas há coisas que deveriam ser eliminadas ou reduzidas a um mínimo.

A eliminar: o teatro dos GR para receberem assistência. Veja-se o caso do Jójus a pedir ao Artur para se deitar, veja-se o caso do Vitor Golas no jogo do SLB b - SCP b ter passado nos últimos 15 minutos mais tempo deitado do que de pé, veja-se o caso do Rui Patricio nos últimos instantes do jogo contra o Braga.
Nestes casos eu concordo que o arbitro fosse obrigado a "parar o tempo de jogo", ou seja, os descontos deveriam incluir TODOS os minutos que essas assistências demorassem... coisa que nunca acontece. Se os jogadores já soubessem de antemão que o tempo ia ser todo adicionado aos descontos, passariam menos tempo a fazer teatro barato a rebolar no chão. Há demasiados casos em que é realmente um abuso e vence sempre a chico-espertice.

A diminuir, porque erros haverá sempre: expulsões erradas e penalties. Um 4º (ou 5º) arbitro com acesso ao video que pudesse ver na hora estes lances mais passiveis de serem polémicos e com hipótese de avisar o arbitro praticamente na hora. Não obrigava a parar o jogo, ou pelo menos perdia-se muito pouco tempo.

Joao disse...

Isso ia complicar um bocado a vida aos benfiquistas. É que sem as desculpas recorrentes da arbitragem tornava-se algo complicado perceber como é que o Porto continuava a ganhar mais do que a concorrência...

Sentinela um Estremecer disse...

"Isso ia complicar um bocado a vida aos portistas. É que sem os recorrentes 'erros' da arbitragem tornava-se algo complicado o Porto continuar a ganhar à concorrência..."

There, João. I fixed it. No need to thank me.

Unknown disse...

Lol, complicava era a vida aos corruptos, que teriam de inventar novas maneiras de roubar para poderem continuar a "ir ao supermercado".

Jon D. disse...

O cronómetro deveria ser parado quando há interrupções como lesões, ou livres que exijam barreira.

Deveria haver um limite de faltas como no futsal.

Quando há uma falta, os jogadores da equipa que a cometem não poderiam tocar mais na bola (e teriam que a largar imediatamente)

E quanto ao vídeo: cada equipa teria direito a 3 "protestos" (como no tenis). O jogo era interrompido (quando acabasse a jogada), e o vídeo analisado, podendo a decisão do árbitro ser revogada.

fui disse...

Concordo com muito do post e dos comentários, a evolução tem de existir, pela transparência e pelo espectáculo. Antes também não havia substituições e foras-de-jogo e a tradição do futebol não se perdeu por causa disso!
Claro que acho que não deviam ser todas feitas em simultâneo e talvez o "tempo útil" e as substituições ilimitadas (favorecia as equipas com mais dinheiro) sejam um pouco exagerado, não sei... Mas foras-de-jogo, tecnologia para ver se a bola ultrapassa os limites do campo, repetições para um quarto árbitro (poderiam ser as equipas a pedir, teriam três pedidos por jogo à medida do ténis, por exemplo), embora este tenha sempre subjectividade, há faltas que nem com os meus amigos benfiquistas estou de acordo!
Acho também que, por exemplo, nos últimos cinco minutos não deveriam ser possíveis substituições e que quando um jogador tem de ser assistido deveria estar 3 ou 4 minutos de fora e só depois poderia voltar a entrar no jogo.
Já agora, "Tiram-se aquelas jarras que há nas competições europeias (as jarras amarelas que estão ao pé dos postes) e fica tudo mais fácil. Assim o Baía tinha menos um título.", não percebi?
E David Duarte, também não percebi a regra do andebol de que falas...
Abraços,
Mike

Nuno87 disse...

Futebol tal como está, sem tecnologias!

Não podemos ficar nos ses, pois todos os clubes já foram prejudicados, lembro o SCP em 2005 na Luz e o SCP em Alvalade com o Paços de Ferreira (Só aí, 2 títulos à cabeça)...

Já agora, se a minha avó tivesse colhões era o meu avô.

Como veem, alterar regras tornaria o futebol noutro desporto!

SL

Bubbles disse...

Quando um jogador se "lesiona" e mal passa a linha de campo salta da maca e pede para entrar é algo que devia mudar!

Se é assistido tem que estar no mínimo 5 minutos fora, cronometrados pelo 4º árbitro e pufff acabavam as simulações de lesões...no caso do gr todo o tempo que está a ser assistido é acrescentado ao tempo de jogo + os descontos normais!

Outra regra que devia mudar era as ofertas de putas a árbitros não darem prisão e descida de divisão! Eu sei que só em Portugal é legalizado e que devemos manter a nossa independência e não deixar que outros venham cá ditar leis, mas podíamos começar a regulamentar! Por exemplo sexo oral dar direito a três faltas junto à área do adversário! Assim é uma bandalheira!

Gr33n C0d3r disse...

Na minha opinião devia ser tempo útil (como no futsal). Também como no futsal ao fim de x faltas a equipa seria punida com livre direto (a marcar em zona a definir) ou outra sanção deste género. Ao fim de x faltas de um jogador deveria ser excluido (temporária ou definitivamente). E como uma vez foi dito (penso que pelo Pelé, mas não tenho a certeza) que justiça existe quando um jogador vai em corrida em direção à baliza adversária (com apenas 1 ou 2 jogadores entre ele e esta) e sofre falta, o jogo é interrompido e prosegue depois com bola parada e a totalidade dos adversários entre esta e a baliza? É caso para dizer que 'o crime compensa'.

Luixito disse...

Gordo,

Concordo com tudo o que dizes relativamente a ideias e mesmo sendo portista gosto de ver o teu blog.

Agora não acho nada bem que mesmo estando a falar de assuntos sérios e que dão para todos os lados matenhas a faceta de que o SLB
é mt prejudicado...

O Baía tinha menos um título? Talvez, mas o SLB tb, no já referido caso Luisão.

O Javi nao tinha sido expulso com o Braga? Discutível, mas por outro lado muitos seriam os jogos que o Javi não tinha acabado. Aliás na última supertaça que o SLB jogou não a teria acabado pois tinha tido mais do que 3 jogadores expulsos!

Mas pronto, continuação de bons posts, que ainda há portistas que gostam de passar por aqui.

Unknown disse...

"que justiça existe quando um jogador vai em corrida em direção à baliza adversária (com apenas 1 ou 2 jogadores entre ele e esta) e sofre falta, o jogo é interrompido e prosegue depois com bola parada e a totalidade dos adversários entre esta e a baliza?"

E de que é que adiantaria poder ser marcada a falta "à andebol" de forma rápida? Das duas uma: ou tinha de esperar que chegasse um companheiro para marcar a falta e ele seguir com a bola ou ele mesmo teria de marcar a falta e não poderia prosseguir com a bola?

De qualquer modo concordo que se introduzam alterações às regras do jogo sem que este perca a sua identidade como foi feito no passado com as substituições, cartões e atrasos para o guarda-redes, só para citar alguns.

Gr33n C0d3r disse...

@ Unknown

A minha ideia não é 'marcar a falta de uma forma rápida' mas sim 'tentar' mimetizar a situação aquando da falta. Se o jogador estava a isolar-se em direção à baliza, apenas com o GR (por exemplo) pela frente então a falta deveria ser com bola corrida, no local da infração e com os adversários atrás da linha da bola. Ou algo semelhante que não beneficiasse, de facto, quem comete a falta.

Gr33n C0d3r disse...

(cont...)
Aliás, basta ouvir os nossos comentadores que falam em 'o jogador fez uma falta inteligente pois o adversário já se esgueirava a caminho da baliza...'!